whatsapp-logo-icone.png

publicidade

20ª Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

Confira tudo o que rolou na edição de 2021 e a lista completa dos vencedores

Pacarrete (Allan Deberton, 2019) | Em cena: Miguel (João Miguel) e Pacarrete (Marcélia Cartaxo)

O Grande Prêmio do Cinema Nacional, uma celebração da Academia Brasileira de Cinema chegou em sua 20ª edição esse ano, a premiação não é nada muito diferente do Oscar que conhecemos, são praticamente as mesmas categorias com uma ou outra exceção, o prêmio consiste numa estatueta banhada em ouro de um cavaleiro em homenagem ao ator brasileiro Grande Otelo segurando uma espada sobre um pedestal, desenhada por Ziraldo e esculpida pelo escultor Altair Souza. Como mencionei acima, é uma premiação muito parecida com o Oscar, não só nas categorias, como no formato da votação, é um prêmio organizado e votado pelos próprios profissionais, uma forma da própria classe celebrar o seu trabalho e dar o devido reconhecimento ao talento de seus profissionais, o mesmo ocorre nas cerimônias – que por conta da pandemia não aconteceu em 2020 e 2021 – mas que geralmente acontece Teatro Municipal do Rio de Janeiro.


O Grande Prêmio consiste em 32 categorias, o cearense Pacarrete, de Allan Deberton, foi o filme mais premiado da noite, com oito troféus Grande Otelo, incluindo o de Melhor Filme do Júri Popular, mas perdeu a categoria principal, que acabou ficando com A Febre, de Maya Da-Rin.


O prêmio tem a característica de fincar títulos em nossa história, dentre alguns dos premiados na categoria principal estão Cidade de Deus, de Fernando Meirelles em 2002; Cinemas, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes em 2007, Estômago, de Marcos Jorge em 2009, O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra em 2015, e Bacurau, de Kleber Mendonça Filho em 2020. A premiação, como qualquer outra, tem controversas, polêmicas e afins, mas isso é assunto para outra hora, segue a lista completa com os vencedores de 2021, que foram anunciados no último domingo (28) – aliás, uma boa lista para você, que assim como eu, ama o cinema nacional, maratonar.

Melhor Direção: Jeferson De, por M8 – Quando A Morte Socorre A Vida. | Em cena: Maurício (Juan Paiva) e Cida (Mariana Nunes)

Melhor Longa-Metragem Ficção

A Febre, de Maya Da-Rin.


Melhor Direção

Jeferson De, por M8 – Quando A Morte Socorre A Vida.


Melhor Longa-Metragem Comédia

Pacarrete, de Allan Deberton.


Melhor Ator

Marcos Palmeira, como Boca de Ouro, por Boca de Ouro

Melhor Ator: Marcos Palmeira, como Boca de Ouro, por Boca de Ouro

Melhor Atriz

Marcélia Cartaxo, como Pacarrete, por Pacarrete.


Melhor Ator Coadjuvante

João Miguel, como Miguel, por Pacarrete.


Melhor Atriz Coadjuvante

Hermila Guedes, como Cosma E Damiana, por Fim de Festa.


Melhor Longa-Metragem Documentário

Babenco: Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou, de Bárbara Paz.

Melhor Longa-Metragem Documentário: Babenco: Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou, de Bárbara Paz.

Melhor Filme Pelo Voto Popular

Pacarrete, de Allan Deberton.


Melhor Filme Internacional

Jojo Rabbit, de Taika Waititi (EUA)


Melhor Filme Ibero-Americano

O Roubo Do Século, Ariel Winograd (Argentina)


Melhor Longa-Metragem Animação

Os Under-Undergrounds, O Começo, de Nelson Botter Jr.

Melhor Longa-Metragem Animação: Os Under-Undergrounds, O Começo, de Nelson Botter Jr.

Melhor Primeira Direção De Longa-Metragem

Bárbara Paz, por Babenco: Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou.


Melhor Som

Rodrigo Ferrante, Miriam Biderman, Abc E Ricardo Reis, Abc, por Babenco: Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou.


Melhor Montagem Ficção

Karen Akerman, por A Febre.


Melhor Montagem Documentário

Cao Guimarães E Bárbara Paz, por Babenco: Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou.


Melhor Roteiro Original

Allan Deberton, André Araújo, Natália Maia e Samuel Brasileiro, por Pacarrete.


Melhor Roteiro Adaptado

Jeferson De E Felipe Sholl – Adaptado Da Obra “M8: Quando A Morte Socorre A Vida”, de Salomão Polakiewicz, por M8 – Quando A Morte Socorre A Vida (De Jeferson De).


Melhor Curta-Metragem Ficção

República, de Grace Passô.


Melhor Curta-Metragem Documentário

Filhas De Lavadeiras, de Edileuza Penha De Souza.


Melhor Curta-Metragem Animação

Subsolo, de Erica Maradona E Otto Guerra.


Melhor Direção De Fotografia

Barbara Alvarez, por A Febre.

Melhor Direção De Fotografia: Barbara Alvarez, por A Febre | Em cena: Justino (Regis Myrupu)

Melhor Maquiagem

Tayce Vale, por Pacarrete.


Melhor Figurino

Kika Lopes, por Boca De Ouro.


Melhor Efeito Visual

Marcelo Siqueira, Abc, por A Divisão – O Filme (De Vicente Amorim).


Melhor Direção De Arte

Rodrigo Frota, por Pacarrete.


Melhor Série Documentário Tv Paga/ Ott

Milton E O Clube Da Esquina – 1ª Temporada (Canal Brasil). Direção Geral: Vitor Mafra.

Melhor Série Documentário Tv Paga/ Ott: Milton E O Clube Da Esquina – 1ª Temporada (Canal Brasil). Direção Geral: Vitor Mafra.