top of page
whatsapp-logo-icone.png

publicidade

Retrospectiva da cultura pop internacional

Veja o que rolou de mais marcante na cultura pop internacional em 2021.

Homem Aranha: Sem Volta para Casa (Jon Watts, 2021)

Fim do ócio. Ontem a Dossiê voltou ao ar, oficialmente, com a coluna "Tribunal das Artes Incorretas: 'Aqui ninguém os aguenta mais'" escrita pela advogada Marina Frederico, depois de um pequeno período de descanso no início do ano. Coisa de portal independente. Agora que voltamos, que tal começarmos um pouco diferente?! Dizem que não cobrimos como deveríamos a cultura internacional, uma verdade, já que o foco do portal é nacional. Mas, para não dizerem que estamos alheios ao mundo, voltamos com uma pequena “retrô” sobre o cenário internacional em 2021. E se quiser saber tudo que cobrimos sobre a cultura, você encontra aqui.


O Brasil passa por um momento delicado no setor cultural, desde a transição do governo em 2018 e com a Pandemia em 2020, o setor cultural foi um dos mais afetados, mas em 2021, com a vacinação avançando em todos os cantos do Brasil, os eventos culturais voltaram acontecer, agora com público. Feiras de artes retomaram, galerias, cinemas e teatros também começaram a reabrir suas portas nos lembrando do quanto valorosa a cultura da vida real pode ser.


Lá fora, o Oscar aconteceu presencialmente, o Met Gala teve seu tradicional desfile no tapete vermelho, o fim da Era Trump também gerou um alívio e a cerimônia de posse presidencial dos Estados Unidos em janeiro, parecia muito diferente dos anos anteriores, por uma porção de motivos, primeiro porque todos usavam máscaras, o desfile cerimonial foi cancelado, o concerto de inauguração repleto de estrelas foi realizado virtualmente e Donald Trump não apareceu. No mesmo evento, muitas estrelas compareceram para assistir pessoalmente, além de Joe Biden, sua vice-presidente Kamala Harris e até a estrela pop Lady Gaga, Amanda Gorman, a poetisa mais jovem já convidada a declamar em uma posse presidencial nos EUA, foi quem cativou o mundo lendo “The Hill We Climb” (A Colina que Subimos), com certeza um dos momentos mais marcantes do ano.