whatsapp-logo-icone.png

publicidade

Critica: Mare of Easttown (Brad Ingelsby, 2021) – HBOMax

O drama de uma pequena cidade em que um misterioso assassinato acontece, mas se engana quem acha que é só isso...

Mare of Easttown (Brad Ingelsby, 2021) | Em cena: Mare Sheehan (Kate Winslet)

Se você gosta de Agatha Christie, daquelas investigações minuciosas, que a cada página, ou no caso, a cada episódio uma nova pista aparece e que todos os personagens são suspeitos, essa é a sua minissérie, mas quem gosta de investigação nunca está órfão desse tipo de entretenimento, todo santo ano, uma série ou minissérie como essa vai ao ar e na grande maioria dos casos elas são excelentes, só pra mencionar alguns exemplos que valem a pena são The Killing (2011 – 2014), The Fall (2013 – 2016) ambas excelentes, isso claro, para quem está disposto a embarcar numa investigação.


O drama investigativo criado por Brad Ingelsby gira em torno da pequena cidade de Easttown, uma comunidade tradicional dos Estados Unidos, onde todo mundo se conhece e tudo funciona, ao menos essa é a nossa primeira impressão.


Somos apresentados então aos personagens liderados por Mare (Kate Winslet, maravilhosa) uma investigadora da polícia local e conhecida de todos os cidadãos. Ela é assombrada por um caso antigo não resolvido e no fim do primeiro episódio, ela é encarregada de resolver o mistério da minissérie, o assassinato de uma adolescente que foi deixada, sem roupas, à beira do rio.


O drama da série vai muito além da investigação, já que a protagonista perdeu seu filho mais velho – suicídio – ainda precisa lidar com sua filha e com a custódia do seu neto. E como se os problemas dentro de casa e no trabalho não fossem o suficiente, ela ainda precisa lidar com a vizinhança e seus pacatos problemas cotidianos.


A protagonista, como era de se esperar, não tem o melhor dos espíritos, em outras palavras, ela tem a cara fechada, não gosta de lidar com pessoas se não for necessário, usa poucas palavras e é meio rabugenta, um estilo clássico de personagem para esse tipo de trama. O auxílio de Colin Zabel (Evan Peters), um investigador de outra cidade, ou, talvez, o interesse amoroso por Richard (Guy Pearce), um escritor que está de passagem, fazem a diferença, Mare ainda tem de lidar com os amigos, que de fato são amigos, e o ex-marido, que agora já está casado com outra e mora na casa ao lado dela. Está formada a teia de investigação, lembrando que: agora depois do assassinato, todos são suspeitos.

Mare of Easttown (Brad Ingelsby, 2021) | Em cena: Colin Zabel (Evan Peters) e Mare Sheehan (Kate Winslet)

A minissérie é marcada por uma trama que se desenvolve com naturalidade, somos tragados não só por conta da investigação, mas todos os problemas da protagonista, a superação e afins, mas também por atuações fantásticas, Kate Winslet que não tem problema algum em aceitar personagens para televisão, brilhou demais, assim como Juliane Nicholson, que interpreta Lory, a melhor amiga de Mare, assim como Evan Peters que está acostumado com personagens excêntricos, aqui faz um detetive mais tradicional, o mesmo vale para Jean Smart – em ótimo momento na carreira – que rouba a cena fazendo a mãe de Mare. Resumindo: o elenco é um dos pontos altos da minissérie que, como já deu para reparar, conta com um roteiro original cheio de reviravoltas, todas elas fazem sentido, claro.

O que torna Mare of Easttown uma das melhores produções de 2021 (até agora) é o conjunto todo, um elenco primoroso, direção excepcional, roteiro bem amarrado e lidando com assuntos delicados, sem fugir da trama principal que é entreter com a investigação.