top of page
whatsapp-logo-icone.png

publicidade

Como seguirá o Brasil até as próximas eleições?

Opinião: Tudo indica que a caminhada do país será mais árdua e cercada de maldades políticas.

Com alta no preço dos alimentos, passaram a ser vendidos no varejo, pés de galinhas e até ossos para pessoas que não têm condições de comprar outras proteínas animais, a "mistura".

Enquanto o Brasil e o mundo assistem perplexos o imbróglio que se tornou a política no país, os noticiários e pesquisas oficiais revelam fome, carestia e desemprego, por sinal, bastante crescentes.

Os Senadores: Randolfe Rodrigues, Renan Calheiros e Omar Assis, vice-presidente, relator e presidente da CPI, respectivamente | Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado

Ao assistir uma CPI ou ter acesso a áudios trocados entre parte do governo e empresários, a sensação de desalento toma conta de qualquer pessoa que anseia por um país mais justo, com mais igualdade e livre dessas amarras medievais. Houve tempos em que a situação que nos envolvia politicamente tinha aspectos bem parecidos aos de hoje, mas quando se internaliza que estamos muito mais a frente em termos de tecnologia e bons acertos por parte de países mais desenvolvidos, em prol de seu povo e, também, dos outros, logo uma crise de insegurança e tristeza nos acomete. Para muitos que já vivenciaram situações de autoritarismo e descaso em tempos remotos, ter esses aspectos novamente em curso geram frustração e exigem grande empenho sobre como orientar e incentivar os mais jovens à caminhada, uma vez que se deparam com essa nova onda, pela primeira vez.


Existe uma clareza nos estudos dos comportamentos políticos do Brasil: Distância absoluta entre poder e povo, não só para que este último seja lesado, mas para que também se mantenha distante porque entender, administrar e trabalhar em benefício do contribuinte, como deveria ser, não faz parte da capacidade humana dos que governam, se é que governar vem a ser um conceito compreensível e aplicável a eles.