whatsapp-logo-icone.png

publicidade

LISTA: 5 filmes sobre a classe trabalhadora

Atualizado: 28 de set. de 2021

O cinema sempre foi uma ótima vitrine para mostrar, apoiar e muitas vezes denunciar os abusos que a classe trabalhadora sofre.



Tempos Modernos (1.936) | Em cena: Trabalhador da Fábrica (Charles Chaplin)

O mundo é assim, trabalhar, trabalhar, trabalhar e no fim morrer, algumas pessoas dedicam toda permanência na terra ao trabalho, de domingo a domingo, para conquistar impérios, outros trabalham para sobreviver, o cinema sempre mostrou isso de uma forma crua e honesta desde Tempos Modernos, a clássica sátira de Charles Chaplin até Roger & Me, documentário de Michael Moore que mostra como o fechamento de uma fábrica do setor automobilístico pode devastar uma cidade inteira. O cinema expõe como trabalhar pode ser dolorosamente necessário, separei então cinco modelos mais recentes e devastadores na mesma proporção.


Norma Rae (Martin Ritt, 1979)

Norma Rae (Sally Field)

O filme que rendeu o primeiro Oscar de melhor atriz para Sally Field, foi como Norma Rae uma sindicalista, que luta contra o exploratório mercado trabalhista de sua cidade, que abusa das condições intoleráveis de trabalho perante à dependência da pequena população de Hinleyville e sua à indústria têxtil local, um filme essencialmente feminista que mostra como as mulheres sempre tiveram que lutar e serem "mais fortes" que os homens.


Dois Dias, Uma Noite (Jean-Pierre & Luc Dardenne, 2014)

Dois dias, uma noite | Em cena: Sandra (Marion Cotillard),

O cinema dos Dardenne sempre foi honesto, em alguns casos até demais e isso nem sempre agradou – eu particularmente não sou muito fã de Dois Dias, Uma Noite –, mas é um filme forte por si próprio.

O filme gira em torno de Sandra (Marion Cotillard), uma mulher que, com a ajuda do seu marido (Fabrizio Rongione), precisam, para manterem seus próprios empregos, convencer os seus colegas da fábrica onde trabalham a desistirem dos bônus que têm direito a receber.


Nomadland (Chloe Zhao, 2020)

Nomadland | Em cena: Fern (Frances Mc Dormand)

Frances McDormand, que interpreta Fern, é uma força da natureza, seu olhar triste, mas que dispensa ajuda, causou tanta emoção, que acabei percebendo que a atriz sempre teve esse poder sobre mim.


Tanto talento acabou em Oscars - melhor filme, direção e atriz - o tom quase documental traz uma realidade maior e necessária ao filme, as entrevistas com depoimentos sinceros que comovem, a linda trilha sonora e a fotografia cinzenta tornam esse um grande filme.


Eu, Daniel Blake (Ken Loach, 2014)

Eu, Daniel Blake | Em cena: Daniel Blake (Dave Johns) e Scotsman (Malcolm Shields)

O cinema de Ken Loach sempre foi objetivo de estudos, o diretor é um daqueles que não arreda o pé, ele é a favor da palestina, esquerdista convicto e toda sua obra é centrada em temas sociais.

Daniel Blake, vencedor da Palma de Ouro - a segunda do diretor - é um exemplar de como o sistema não funciona quando se precisa dele. O filme conta a história de Daniel (Dave Johns), que após um acidente de trabalho, precisa dos recursos do governo, pois não consegue mais exercer suas funções profissionais, mas a burocracia...


Você Não Estava Aqui (Ken Loach, 2019)

Você não estava aqui | Em cena: Ricky Turner (Kris Hitchen)

O soco aqui é ainda mais forte que Daniel Blake, é um filme sensível e que com certeza vai arrancar lágrimas de alguns. Além de falar sobre a precarização das relações de trabalho e da "Uberização" do trabalho, expõe o drama familiar, a falta de tempo e perspectiva, o quanto tudo ao nosso redor é afetado: a saúde, a educação dos filhos, o sono, o relacionamento conjugal etc.

Você Não Estava Aqui é um filme que deveria passar em todas as escolas, uma verdadeira lição sobre a (des)valorização do trabalho.


BÔNUS: A Fábrica de Nada (Pedro Pinho, 2017)

A Fábrica de Nada | Em cena: Vargas (José Smith), Tiago Hespanha, Daniele Incalcaterra e Américo Silva

Em uma Portugal atual, que passa por um aprofundado processo de desindustrialização, um grupo de operários são surpreendidos pelo repentino fechamento da fábrica em que trabalham, quando durante a madrugada flagram as máquinas sendo retiradas às escondidas da fábrica.

Para reverter a situação e garantirem a permanência de seus empregos, os operários iniciam uma greve e em busca de seus direitos, pretendem administrar a fábrica por meio de um sistema de autogestão coletiva da massa falida.

Um tema atual e muito bem abordado por um mundo, onde o objetivo é produzir o máximo, com o mínimo de mão de obra possível.