whatsapp-logo-icone.png

publicidade

Ivanildo é a cara do trabalhador brasileiro

A CPI escancara uma triste relação de trabalho entre um dos profissionais mais confiáveis da empresa, que em doze anos não recebeu uma oportunidade relevante e a empresa, que acuada pela CPI dá o melhor benefício da carreira do trabalhador.

Ivanildo é motoboy da VTCLog e responsável pela movimentação de mais de R$ 5 milhões em saques na boca do caixa. | Foto: Pedro França/Agência Senado

A CPI foi para cima da VTC Log, uma empresa com uma quantidade assustadora de contratos milionários com o ministério da saúde, chega a parecer que a empresa é uma estatal, dada tamanha responsabilidade da empresa sobre a logística do ministério da saúde e, sinceramente, parece que o principal cliente e fonte de receitas é o serviço público


Ivanildo trabalha na VTC Log e empresas do mesmo grupo, desde 2009. De lá para cá, Ivanildo executa as mesmas funções de “motoboy” para a empresa, por isso recebe seu salário, cerca de R$ 1.800,00, um valor compatível com a média nacional para motofretistas registrados e ainda um valor mensal "de R$ 500 e poucos", que diz respeito ao valor de aluguel da moto, um acordo justo se Ivanildo fosse apenas um motofretista.


Porém, Ivanildo não é um simples motofretista, ele é praticamente uma “transportadora de valores”, o trabalho de Ivanildo, segundo declarou na CPI da Covid, consiste basicamente em fazer trabalhos de banco e transporte de valores, com comprovantes de saques que vão de R$ 49 mil a mais de R$ 400 mil em um único dia e quase um milhão apenas de 24 a 28 de dezembro de 2018 e mais de 2 milhões apenas em 2021, como ressaltou a senadora Simone Tebet.


Ivanildo é um trabalhador brasileiro como outro qualquer, mal pago pelo trabalho que faz, foi usado pela empresa para um trabalho que colocou sua vida em risco todos os dias em que precisou transportar valores, um movimento muito visado por quadrilhas de “saidinha de banco”.


Pior do que isso, Ivanildo está há 12 anos na mesma empresa, no mesmo cargo, com o mesmo salário de “base da pirâmide”. Um homem negro, um homem simples, um homem trabalhador, bom profissional e absolutamente confiável, tanto que tinha a confiança da empresa para movimentar e transportar centenas de milhares de reais diariamente. Infelizmente, na lógica do mercado de trabalho racista, o homem negro e simples serve para ser um funcionário da base da pirâmide muito confiável e fiel, mas na hora de receber apoio, investimento na carreira e oportunidade de promoção, não recebe, ainda que seja o profissional mais confiável da empresa.


Segundo o que vem sendo citado na CPI, a VTC Log possui mais de R$ 500 milhões em contratos ativos com o Ministério da Saúde, é uma empresa de grande porte, com muitas receitas, vastas margens de lucro e supostamente teria pago boletos no valor de até R$ 6 mil reais, mais de três vezes o salário mensal do funcionário com doze anos de empresa, para um funcionário do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, que, supostamente, teria sido responsável por um aditivo de 1.800% sobre o valor inicial do contrato, como denunciou a senadora Eliziane Gama, amparada pelos comprovantes de pagamento apresentados pelo relator da CPI, Renan Calheiros.

VTCLog, empresa está sendo investigada na CPI da Covid-19 com suspeita de superfaturamento de até 1800% em contratos firmados com o Ministério da Saúde e que paga menos de 2 salários mínimos para o transportador de valores da empresa. | Foto: Reprodução VTCLog

Ivanildo carregou milhões de reais em cheques e dinheiro vivo durante anos, um serviço que custaria muito caro se fosse feito por transportadores de valor oficiais e ainda teria um problema, transportadores de valor, além de geralmente não fazerem pagamentos de boleto na boca do caixa, geram registros de movimentação, coisa que o motoboy Ivanildo, não faz.


Ainda na mesma seção, o destaque ficou por conta do Senador Izalci Lucas, contador de ofício, o único que sabia como funcionava o trabalho de um motoboy, se desculpando por eventuais constrangimentos sofridos pelo motoboy, já que durante toda a sessão, senadores leigos não entendiam como funcionavam os saques. Claro que o motoboy, em algum momento pode ter levado envelopes de valores altos para pagar propinas, porém, o que ficou demonstrado foi uma movimentação de caixa, muito longe das cenas cinematográficas do cenário político nacional com caixas e malas de dinheiro.


Quando uma empresa manda um cheque para que o dinheiro seja sacado e com o dinheiro desse saque os boletos sejam pagos, geralmente, é porque a empresa não quer deixar registro e é óbvio que serve a fins não tão republicanos, afinal o sonho da contabilidade de uma empresa proba/correta é o registro instantâneo e pagamentos identificados, tal qual é feito com os pagamentos online. Só não se deixa rastro para aquilo que não se quer vínculos e rastros comprobatórios como, por exemplo, supostos pagamentos de propinas, compra de produtos ilícitos e manutenção de segredos. Segundo os senadores, essa pode ser a ponta de um fio solto, muitas coisas podem ser descobertas se a CPI conseguir rastrear os boletos que eram pagos com esse dinheiro sacado.


Em 12 anos Ivanildo não foi promovido, não foi treinado, não recebeu aumentos relevantes, não melhorou de vida, não recebeu nenhuma oportunidade relevante. Sobre as denúncias ventiladas na CPI, nada podemos concluir por enquanto, mas assistindo a aguerrida ação dos advogados contratados pela empresa para assistir o motoboy convocado como TESTEMUNHA e não como investigado, é possível afirmar que agosto de 2021 é o mês que a empresa mais gastou com Ivanildo em 12 anos, pena que foi em benefício da própria empresa e não do fiel funcionário.

Os senadores observaram que que a qualificada banca de advogados do motoboy não eram compatíveis com o salário do motoboy. Perguntado, Ivanildo revelou que a empresa VTCLog foi quem contratou seus advogados. Ivanildo foi convocado para testemunhar em desfavor da empresa. | Foto: Roque de Sá / Roque de Sá/Agência Senado