top of page
whatsapp-logo-icone.png

publicidade

A implacável desidratação de Bolsonaro

Na direção oposta, pesquisas revelam vitória cada vez mais certa de Lula em 2022

Bolsonaro recicla programas sociais como o auxílio Gás e Programa Alimenta Brasil, em tentativa de conter a queda de popularidade | Foto: Valter Campanato /Agência Brasil

Como num processo de fórmula 1, o autódromo político brasileiro começa a montar sua estrutura com equipamentos, veículos, equipes, segurança e todos os aparatos que mostrarão ao público não só o desempenho das máquinas, mas também a habilidade em seguir regras e vencer a prova. Os roncos dos motores serão poderosos e, nessa breve alusão à política do país, tudo indica que o vencedor já saiu, precisando apenas da data já marcada, para levantar seu troféu.


O outrora vencedor, aqui na figura de um presidente hoje cercado de adjetivos desnecessários de traduções, conseguiu internalizar nos eleitores os mais fortes aspectos de rejeição, desaprovação e, agora mais que nunca, uma inquietação para que o país consiga sobreviver a tantos assaltos éticos e morais que jogaram a economia num patamar quase inalcançável na escala.


A preocupação está presente em todos os lares, empresas, serviços, universidades e hospitais do país, já tão assolados e fazendo esforços hercúleos para chegar à reta final nessa disputa. Não existe a intenção pública declarada que o presidente não faça parte dessa bem próxima corrida pelo poder. Ao contrário, o inconsciente popular parece revelar um interesse grande em sua presença, deixando no final a certeza de que não só perdeu, mas também desapareceu da continuidade histórica do país, ficando apenas um registro memorável do maior acidente de percurso presenciado nas últimas décadas, onde as fichas apostadas no carro vendido como mais possante foram menosprezadas e seguiram na enxurrada de corrupção que ganhou ainda mais força, bem familiar e religiosa, embora às avessas.


Numa cultura tão atacada propositalmente há séculos, aqueles que abraçaram as intenções de resgaste e valorização de um povo e suas necessidades, como ocorreu no governo Lula, foram apedrejados e rotulados para dar lugar ao que hoje se vê: um desastre recheado de irresponsabilidades e abusos que atingiu as piores proporções por motivos bastante claros, óbvios e certeiros: Governo sem segurança, base e formação, despedaçado no guard rail que lhe deu um basta.