whatsapp-logo-icone.png

publicidade

LISTA: 5 curtas-metragens brasileiros

Atualizado: 24 de set. de 2021

A arte de contar toda uma história em poucos minutos e claro, nós brasileiros sabemos fazer isso como ninguém.

Flush (Diego Freitas, 2020) | Em cena: Sarah (João Côrtes)

A Dossiê, como vocês têm reparado nas últimas semanas, tem se dedicado para com o cinema nacional, é incrível como deixamos passar tantas obras maravilhosas que temos aqui, em nossas terras, para focar nas produções Hollywoodianos ou nos cult (e/ou, pseudo cults) europeus; nós da Dossiê etc queremos mostrar o quando nossas produções são maravilhosas e não deixam a desejar em nenhum quesito.


Falamos de entretenimento, que por mais porco que algumas vezes possa parecer, ainda é entretenimento, falamos dos nossos atores e atrizes, alguns deles dignos de Oscar e agora estamos pontuando os melhores filmes nacionais de todos os tempos, pois saibam vocês que curta-metragem também é cinema, afinal de contas, foi dos curtas que surgiram os longas, foram os curtas que transformaram o cinema no que ele é, uma arte.

O que você encontrará a seguir são cinco curtas que deixa no chão muitos longas por ai (reforçando que tamanho não é documento), os curtas precisam ser diretos, não tem como ficar enrolando, precisam passar a mensagem em poucos minutos, alguns deles mostram a nossa realidade da forma mais crua, outros nos trazem uma realidade paralela que pode ser assustadora. Agora, sem mais delongas, segue a lista, assistam aos curtas – é rapidinho – e deixem nos comentários as vossas impressões.


5. Histórias de Gaveta (Marina Galdieri, 2013)

Histórias de Gaveta (Marina Galdieri)

O curta conta a história de Jonas (Homero Ligere), que se enquadra no que atualmente chamamos de “boy lixo”, ele passa dos limites com as mulheres, é homofóbico e ainda tem algumas peculiaridades sexuais.


O curta é um rápido estudo de personagem que mostra como esse tipo de gente se comporta, quais são seus costumes com as pessoas ao seu redor, é um curta amador, sem grandes firulas de produção, mas vale dar uma conferida e ficar atendo aos sinais.


Onde assistir: YouTube

4. Flush (Diego Freitas, 2020)

Flush (Diego Freitas, 2020) | Em cena: Sarah (João Côrtes) e Tom (Nicolas Prattes)

O rostinho de Nicolas Prattes está fresquinho em nossas memórias, afinal de contas, ele está em 1 a cada 3 novelas da Globo, mas sua alma de “menino mal” lhe fez repensar os caminhos de sua carreira, foi então que ele decidiu aceitar o papel principal do filme O Segredo de Davi, também do diretor Diego de Freitas, que convidou Prattes para estrelar seu curta seguinte, escrito e estrelado por João Côrtes.

O curta faz um paradoxo da sexualidade e da personalidade do próprio ator Nicolas Prattes, o protagonista Tom fica preso dentro do banheiro da escola com uma outra estudante, a transexual Sarah (João Côrtes). Eles entram em embates com diálogos conflitantes. Uma lição pra quem o assiste saber como lidar com situações e conflitos como esses.


Onde assistir: Indisponível


3. Di-Glauber (Glauber Rocha, 1977)

Di-Glauber (Glauber Rocha, 1977)

O companheirismo que existia entre os artistas em meados dos anos 60 e 70 era a coisa mais linda, existia uma cumplicidade que transcendia a arte e mesclava um pouco de tudo, desde o cinema, passando pela música até a pintura.


O curta de Glauber Rocha é uma homenagem a Di Cavalcanti e toda sua obra, o diretor filmou seu funeral e seu enterro. Com uma câmera na mão Rocha mostra toda a arte de Di Cavalcanti, suas pinturas, seus amigos e familiares, considerado um dos melhores curtas de todos os tempos pela ABRACCINE.


Onde assistir: YouTube


2. Recife Frio (Kleber Mendonça Filho, 2009)

Recife Frio (Kleber Mendonça Filho, 2009)

O fato é que, Kleber M. Filho é o nosso melhor e mais prestigiado diretor brasileiro da atualidade, mas antes de Bacurau (2019) o diretor tinha trabalhado sua mente em uma Recife (PE) muito diferente do que estamos acostumados. A bela Recife ensolarada, sofre uma estranha mudança climática, a cidade antes famosa por seu clima tropical, agora é fria, chuvosa e nublada. É então que uma emissora de televisão estrangeira envia uma equipe ao Brasil para examinar e entender os efeitos desta mudança em uma cultura que sempre viveu em um clima quente e agradável. Mas e agora, como essa cidade e as pessoas que vivem nela lidaram com esse frio permanente?

Tem que assistir para descobrir...


Onde assistir: YouTube


1. Ilha das Flores (Jorge Furtado, 1989) - Globoplay

Ilha das Flores (Jorge Furtado, 1989)

O melhor filme brasileiro que existe é esse, e ele só não será o primeiro na lista do CineBR 50 MAIS, porque não incluímos curtas naquela lista, caso contrário, esse seria facilmente eleito o melhor filme nacional de todos os tempos. Não dá para falar muito e prefiro nem o fazer, é curta didático e que deveria ser obrigatório nas escolas de todo o país, garanto que depois do curta, nenhum estudante será o mesmo.

Considerado um dos melhores documentários em curta-metragem do cinema brasileiro, o filme fala sobre a pobreza do povo brasileiro de forma única e irônica, através da Ilha das Flores, que serve como depósito de comida que a classe média não consome e banquete para os necessitados.


O fato de ele ter apenas 13 minutos de duração, é detalhe


Onde assistir: Globo Play

publicidade

Para conhecer nosso posicionamento editorial, clique aqui.

Para conhecer nossas formas de expressão, clique aqui.

Para assinar e contribuir com o nosso conteúdo, clique aqui.